A Universidade e a Profissão:

O que aprende na Universidade e o que precisa para o seu emprego

As normas DIN (Padrão Industrial Alemão) ou a criação de situações autênticas de ensino e aprendizagem

Muitos alunos não se encontram familiarizados com as normas DIN até começarem a trabalhar. Não só não têm consciência dos seus direitos e deveres como também não se encontram preparados para lidar com estas normas enquanto tradutores profissionais.

Mais sobre as normas DIN

Ao contrário da vida profissional, o curso incide essencialmente sobre traduções feitas individualmente. As capacidades de trabalho em grupo não são, infelizmente, desenvolvidas. Um inquérito mostrou que os licenciados da FASK criticam os textos "estéticos" utilizados, uma vez que estes não dão uma ideia clara do seu futuro trabalho. Estes são frequentemente discutidos nas aulas práticas de tradução.

Mais sobre projectos reais na FASK

Mais sobre projectos reais em todo o mundo

Existem aulas onde os princípios construtivistas foram já implementados. Nestas são discutidos textos ou até mesmo projectos completos que se baseiam em traduções e situações de trabalho reais. Noutros casos, os alunos também trabalham em projectos reais de tradução aceites pelo professor. Neste caso, os alunos são motivados e encorajados a trabalhar independentemente. Encontram-se assim perante uma situação onde devem ser responsáveis. Produzem um texto para o qual contribuíram consideravelmente e que se encontra pronto para o mercado. Estas tarefas conduzem a uma maior autoconfiança, tornando-se mais fácil para o aluno encontrar um emprego.

Mais sobre Construtivismo

Muitos alunos não têm as competências básicas em informática e muitos não têm qualquer experiência com os modernos programas informáticos de tradução. Contudo, são leccionados cursos de informática nas universidades e apenas um número muito limitado de vagas está disponível por semestre.

Mais sobre computadores

Nem as avaliações, nem o desenvolvimento que o aluno adquiriu durante o semestre são registados; conta apenas a nota do exame final. Os vários departamentos da FASK (para não mencionar toda a FASK) não têm um sistema de avaliação consistente. As classificações dos testes escritos não dão uma informação exacta sobre como a nota foi obtida. Quando questionados pelos alunos, os professores normalmente não dão importância às suas propostas de tradução: assinalam simplesmente o que está errado e explicam as suas próprias correcções. O resultado é que esses alunos começam por ficar frustrados com as decisões dos professores.

Mais sobre avaliações

A divisão dos programas de estudo em módulos conduziu a um estudo mais organizado, flexível e transparente.

Mais sobre a divisão em módulos



Conclusão:

A maioria dos programas de estudo preparam os alunos para o exame final (Diplomprüfung). Contudo, os programas  não os preparam para trabalhar como tradutores profissionais.


Inquérito
Todos os tradutores já foram um dia estudantes universitários. Deixe-nos aprender consigo! Gostaríamos de lhe pedir para partilhar as suas experiências connosco: qual foi a sua experiência quando terminou o curso e começou a sua vida profissional? Que capacidades e conhecimentos já possuía (pelos menos elementares) e quais teve de adquirir para se tornar competitivo no mercado de trabalho? Nós, os alunos da FASK, gostaríamos de agir porque estamos convencidos de que o ensino de tradução se encontra desactualizado. Desta forma, pedimos-lhe para completar o questionário abaixo indicado para nos ajudar a identificar os problemas existentes.

Inquérito



Para mais informações sobre este assunto consulte os resultados do inquérito "O que existe para além da Universidade?"