Diferentes métodos de revisão


Ainda que existam várias possibilidades, os alunos e os professores da FASK utilizam apenas dois ou três dos métodos que agora vamos mencionar. Os alunos raramente corrigem as suas próprias traduções, ainda que seja o método mais comum na vida profissional de um tradutor. Várias revisões são apenas feitas em exames intermédios ou finais, mas não nos testes normais de tradução no final de cada semestre. No entanto, há uma revisão feita por falantes nativos, mas apenas nas aulas de tradução dadas por eles.
A tabela seguinte mostra uma breve descrição de métodos adicionais de correcção.

Revisão feita pelo tradutor
Definição: O tradutor revê o seu próprio texto
  • Maior aproveitamento do tempo
  • Menos custos, porque não é necessário pagar a um segundo revisor
  • Falta de objectividade perante a própria tradução
  • Falta de distância para reconhecer os erros. Esta desvantagem pode ser evitada fazendo uma revisão passado algum tempo
Correcção Hierárquica Definição: O texto de chegada de um tradutor experiente é revisto por um colega com menos tempo de serviço
  • Acção pedagógica para o revisor
Revisão Definição: Vários tradutores com as mesmas qualificações ou qualificações semelhantes revêem as traduções uns dos outros de forma a compensar a falta de objectividade para com os seus próprios textos
Correcção feita por um perito Definição: A revisão final é feita por um perito que verifica a coerência e a terminologia
  • Verificação do grau de compreensão na leitura do texto de chegada
Revisão feita por um falante nativo Definição: A tradução é revista por um falante nativo da língua de chegada
  • Verificação da correcção linguística, estilística e textual
Correcção Múltipla Definição: O texto de chegada é revisto por vários tradutores experientes
  • É utilizada na revisão de textos políticos e científicos nos quais eventuais erros poderiam ter graves consequências